Questão 25, 44 e 46  

Page 7 / 15 Prev Next
  RSS

Daianekrug
Novo Membro
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 3

ResponderCitar
Daianekrug
Novo Membro
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 3

ResponderCitar
MarcelloAmericano
Membro Ativo
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 14
05/10/2017 11:19  

modelo questão 25

Venho perante esta respeitosa banca recorrer da questão 25 do Exame de Suficiência 2017.2. A questão possui incorreções quanto às datas dos fatos contábeis e período de apuração, conforme será apresentado a seguir. A questão, em seu enunciado, descreve que os fatos contábeis ocorreram no ano de 2016: "Em 30.6.2016, uma Indústria que atua no ramo de confecção adquiriu 5.000 metros de tecido por R$50.000,00. Incorreu também em frete para transporte desse tecido, no valor de R$10.000,00." Posteriormente, informa fatos contábeis que ocorreram 1 ANO APÓS os dados inicialmente relatados, em julho do ano de2017. Por fim, exigiu do candidato a quantificação dos custos variáveis, solicitando os valores resultantes em JULHO DE 2017. Nada foi explicado quanto aos fatos contábeis ocorridos entre 01/07/2016 e 30/06/2017, havendo omissão a todas as operações contábeis deste período. Resta claro que, conforme descrito, a questão EQUIVOCOU-SE QUANTO ÀS DATAS INFORMADAS NO ENUNCIADO, levando o candidato a confundir-se em seu raciocínio e nos cálculos. Ora, não deveria o candidato ser prejudicado por erros de digitação ou de formulação da questão. Ainda mais em erros relacionados a períodos de apuração contábil, que influenciam diretamente na quantificação correta dos valores. Portanto, uma vez que o próprio enunciado está errado, a anulação da questão é medida de justiça que se impõe no presente caso.


ResponderCitar
MarcelloAmericano
Membro Ativo
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 14
05/10/2017 11:19  

Modelo questão 44

 

Venho perante a esta respeitosa banca recorrer do gabarito da questão 44 do Exame de Suficiência 2017.2. A questão possui interpretação dúbia, conforme será apresentado a seguir. Foi solicitado ao candidato que assinalasse a alternativa que continha a o saldo contábil do Razão Analítico da Conta Corrente Bancária em 30/06/2017. Também consta um controle de emissão de cheques, onde consta a emissão de três cheques, totalizando um valor de R$12.467,00. O Extrato da Conta Corrente Bancária tinha um saldo inicial de R$ 30.000,00 credor e no dia 30/06/2017 apresentava um saldo credor de R$ 21.715,00. Razão Analítico da Conta Corrente Bancária apresentava um saldo inicial devedor no valor de R$ 30.000,00 e no dia 30/06/2017 um saldo devedor no valor de R$24.865,00. Diante dos dados apresentados pela banca no enunciado, pode-se interpretar o pedido da banca de duas maneiras. A primeira será chegar ao saldo por meio dos lançamentos contábeis. Segundo Marion (2017 p.245.) no Razão o registro é realizado em contas individualizadas. Ainda o autor apresenta um exemplo: “abrimos uma conta Caixa e registramos todas as operações que, evidentemente afetam o Caixa nesta conta, debitando ou creditando e, a qualquer momento, apuramos o saldo. Também importante citar que o lançamento no diário e no razão tornou-se muito prático, sendo feito de forma simultânea nos sistemas informatizados (OLIVEIRA, 1997). Com base nos ensinamentos deste consagrado autor podemos resolver a questão da seguinte maneira: Sendo o cheque uma ordem de pagamento à vista, será efetuada a baixa da obrigação registrada no passivo, mediante emissão do cheque pré-datado. O valor correspondente ao cheque pré-datado deverá ser classificado no passivo em conta representativa de "cheques a pagar" ou "cheques a compensar". Saldo da Conta Corrente Bancária: 30.000,00 Taxa de emissão de Cheques: 05/06/2017 D – Despesa com taxas bancárias: 18 C – Conta Corrente Bancária: 18 Redução da Conta Corrente Bancária em 18,00 Saldo: 30.000 (-) 18 = 29.982 Emissão dos cheques(vamos supor que estes eram para pagar fornecedores à prazo): 09/06/2017 D - Fornecedores : 4.200 C - Cheques à Compensar – PASSIVO: 4.200 12/06/2017 D - Fornecedores: 7.350 C - Cheques à Compensar – PASSIVO: 7.350 30/06/2017 D - Fornecedores: 917 C - Cheques à Compensar – PASSIVO: 917 A emissão dos cheques não impactou a Conta Corrente Bancária. Pela compensação dos cheques: 20/06/2017 – Cheque 02 D - Cheques à Compensar – PASSIVO: 7.350 C – Conta Corrente Bancária: 7.350 Redução da Conta Corrente Bancária em 7.350 Saldo: 29.982 (-) 7.350 = 22.632 30/06/2017 – Cheque 03 D - Cheques à Compensar – PASSIVO: 917 C – Conta Corrente Bancária: 917 Redução da Conta Corrente Bancária em 917 Saldo: 22.632 (-) 917 = 21.715 No razão consta o cheque 01 como se este houvesse sido compensado: Neste caso constata-se que houve o seguinte lançamento equivocado no dia 12/06/2017: 12/06/2017 – Cheque 01 D - Cheques à Compensar – PASSIVO: 4.200 C – Conta Corrente Bancária: 4.200 Redução da Conta Corrente Bancária em 4.200 Saldo: 21.715 (-) 4.200 = 17.515 Mas como foi constatado que este cheque não foi compensado houve o estorno deste, conforme a ITG 2000: D – Conta Corrente Bancária: 4.200 C - Cheques à Compensar – PASSIVO: 4.200 Aumento da Conta Corrente Bancária em 4.200 Saldo: 17.515 + 4.200 = 21.715 No dia 30/06/2017 o saldo era de 21.715. Portanto por esse entendimento o gabarito seria a alternativa C. Prosseguindo: Apenas após a compensação do cheque em 03/07/2017 haverá a redução da Conta Corrente Bancária: 03/07/2017 – Cheque 01 D - Cheques à Compensar – PASSIVO: 4.200 C – Conta Corrente Bancária: 4.200 Redução da Conta Corrente Bancária em 4.200 Saldo: 21.715 (-) 4.200 = 17.515 Se for considerado que houve erro nos lançamentos a alternativa correta seria a alternativa C. A questão pode ter outro tipo de entendimento, posto que a banca não deixou claro para o examinando. Seguindo este raciocínio teremos Conciliação Contábil: Segundo o IOB(2008 p.2.): Diante do volume de operações bancárias envolvendo a empresa, e sendo expressiva a quantidade de documentos válidos para a contabilidade, é fundamental o trabalho de checagem entre o razão analítico e o extrato bancário, trabalho este denominado, no meio contábil, “Conciliação Bancária”. A conciliação sistematizada da conta Bancos é importante porque pode ser utilizada como instrumento de fiscalização e assegurar que todas as operações bancárias estão sendo registradas pela Contabilidade, para fins de controle. Conciliação contábil é a conferência dos valores debitados ou creditados, nos registros contábeis de uma organização, confrontando-os com os respectivos suportes/documentos que lhes deram origem, ou seja, em caráter interno ou externo à referida organização. Seguindo o exemplo prático apresentado pelo ilustre Silvio Aparecido Crepaldi (2013 p.868) o procedimento seria da seguinte maneira: No caso em questão o saldo bancário era 21.715. Deveria ser debitado 4.200 do extrato bancário e teria um saldo de 17.515. Já no razão analítico havia um saldo de 24.865. Houve um pagamento não identificado. Neste caso deveria ser creditado no Razão o valor de 7.350. Assim o saldo iria para 17.515. Foi feita a conciliação bancária. Pelo segundo entendimento o gabarito seria alternativa B. Portanto pode-se constatar que se trata de uma questão de dupla interpretação. Neste caso reitero meu pedido de anulação da referida questão. Referências: CREPALDI, Silvio Aparecido. Auditoria Contábil – Teoria e Prática. 9ª edição. 2013. Atlas. São Paulo. IOB. Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Jan/2008 - Fascículo 01. DOCCIN. Consultoria Integral de Negócios. Conciliação Bancária - conceito e como realizar na prática. Disponível em: http://www.doccontabilidade.com.br/downloads/07%20- %20Concilia%C3%A7%C3%A3o%20Banc%C3%A1ria.pdf acesso em 03.10.17 MARION, José Carlos, Contabilidade Empresarial. 13. ed. São Paulo: Atlas, 2007. OLIVEIRA, Edson, Contabilidade Informatizada: Teoria e Prática. São Paulo: Atlas, 1997. Tax Contabilidade. Cheque pré-datado (ou pós-datado) (Area: Manual de Lançamentos Contábeis). Disponível em: http://www.taxcontabilidade.com.br/matTecs/matTecsIndex.php?idMatTec=233. Acesso em: 04/10/2017.


ResponderCitar
Bruno Goncalves
Novo Membro
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 2
05/10/2017 11:20  

Bom dia Pessoal!

 

Alguem tem o modelo para Recurso da Questão 17?

 

Email: trashler@hotmail.com


ResponderCitar
MarcelloAmericano
Membro Ativo
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 14
05/10/2017 11:24  

Alguém tem a questão 46, estou sem o caderno de prova.

E o recurso para mesma?


ResponderCitar
alinefm
Novo Membro
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 3
05/10/2017 11:24  

Quanto ao recurso da questão 46, coloquei da seguinte forma:

Venho perante a esta respeitosa banca recorrer do gabarito da questão 46 do Exame de Suficiência 2017.2. Conforme será apresentado a seguir.

O AUDITOR DEVE DETERMINAR A QUEM COMUNICAR, E NÃO COMUNICAR DE INÍCIO AS AUTORIDADES REGULADORAS E DE CONTROLE.

Comunicações à administração e aos responsáveis pela governança

40. Caso o auditor tenha identificado uma fraude ou obtido informações que indiquem a possibilidade de fraude, o auditor deve comunicar estes assuntos tempestivamente a pessoa de nível apropriado da administração que têm a responsabilidade primordial de prevenir e detectar fraude em assuntos relevantes no âmbito de suas responsabilidades (ver item A60).

41. A menos que todos os responsáveis pela governança estejam envolvidos na administração da entidade, se o auditor tiver identificado ou suspeitar de fraude envolvendo:

(a) a administração;

(b) empregados com funções significativas no controle interno; ou

(c) outros, cujas fraudes gerem distorção relevante nas demonstrações contábeis, o auditor deve comunicar tempestivamente esses assuntos aos responsáveis pela governança.

Caso o auditor suspeite de fraude envolvendo a administração, o auditor deve comunicar essas suspeitas aos responsáveis pela governança e discutir com eles a natureza, época e extensão dos procedimentos de auditoria necessários para concluir a auditoria (ver itens A61 a A63).

42. Nos termos da NBC TA 260, o auditor deve comunicar aos responsáveis pela governança quaisquer outros assuntos relacionados a fraudes que, no seu julgamento, são relevantes para suas responsabilidades (ver item A64).

Comunicações às autoridades reguladoras e de controle

 

43. Caso o auditor tenha identificado ou suspeite de fraude, deve determinar se há responsabilidade de comunicar a ocorrência ou suspeita a um terceiro fora da entidade. Embora o dever profissional do auditor de manter a confidencialidade da informação do cliente possa impedir que tais informações sejam dadas, as responsabilidades legais do auditor podem sobrepor-se ao dever de confidencialidade em algumas situações (ver itens A65 a A67).


ResponderCitar
MarcelloAmericano
Membro Ativo
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 14
05/10/2017 11:25  
Posted by: alinefm

Quanto ao recurso da questão 46, coloquei da seguinte forma:

Venho perante a esta respeitosa banca recorrer do gabarito da questão 46 do Exame de Suficiência 2017.2. Conforme será apresentado a seguir.

O AUDITOR DEVE DETERMINAR A QUEM COMUNICAR, E NÃO COMUNICAR DE INÍCIO AS AUTORIDADES REGULADORAS E DE CONTROLE.

Comunicações à administração e aos responsáveis pela governança

40. Caso o auditor tenha identificado uma fraude ou obtido informações que indiquem a possibilidade de fraude, o auditor deve comunicar estes assuntos tempestivamente a pessoa de nível apropriado da administração que têm a responsabilidade primordial de prevenir e detectar fraude em assuntos relevantes no âmbito de suas responsabilidades (ver item A60).

41. A menos que todos os responsáveis pela governança estejam envolvidos na administração da entidade, se o auditor tiver identificado ou suspeitar de fraude envolvendo:

(a) a administração;

(b) empregados com funções significativas no controle interno; ou

(c) outros, cujas fraudes gerem distorção relevante nas demonstrações contábeis, o auditor deve comunicar tempestivamente esses assuntos aos responsáveis pela governança.

Caso o auditor suspeite de fraude envolvendo a administração, o auditor deve comunicar essas suspeitas aos responsáveis pela governança e discutir com eles a natureza, época e extensão dos procedimentos de auditoria necessários para concluir a auditoria (ver itens A61 a A63).

42. Nos termos da NBC TA 260, o auditor deve comunicar aos responsáveis pela governança quaisquer outros assuntos relacionados a fraudes que, no seu julgamento, são relevantes para suas responsabilidades (ver item A64).

Comunicações às autoridades reguladoras e de controle

 

43. Caso o auditor tenha identificado ou suspeite de fraude, deve determinar se há responsabilidade de comunicar a ocorrência ou suspeita a um terceiro fora da entidade. Embora o dever profissional do auditor de manter a confidencialidade da informação do cliente possa impedir que tais informações sejam dadas, as responsabilidades legais do auditor podem sobrepor-se ao dever de confidencialidade em algumas situações (ver itens A65 a A67).

Obrigado!


ResponderCitar
MarcelloAmericano
Membro Ativo
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 14
05/10/2017 11:27  

Recursos enviados 25, 44 e 46.

Boa sorte a todos!

 


ResponderCitar
Indiaabreu
Membro Ativo
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 10
05/10/2017 11:29  

Bom dia! 

Poderia me disponibilizar seu modelo de recurso das questões 25 e 44?

india.nara79@hotmail.com


ResponderCitar
alinefm
Novo Membro
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 3
05/10/2017 11:30  

E quanto a questão 41, coloquei da seguinte forma:

Venho perante a esta respeitosa banca recorrer do gabarito da questão 41 do Exame de Suficiência 2017.2. Há excessões para mensuração dos ativos biológicos, conforme será apresentado a seguir:

A Questão não especifica quais as situações para a mensuração dos ativos biológicos, pois há excessão.

12. O ativo biológico deve ser mensurado ao valor justo menos a despesa de venda no momento do reconhecimento inicial e no final de cada período de competência, exceto para os casos descritos no item 30, em que o valor justo não pode ser mensurado de forma confiável.

 

30. Há uma premissa de que o valor justo dos ativos biológicos pode ser mensurado de forma confiável. Contudo, tal premissa pode ser rejeitada no caso de ativo biológico cujo valor deveria ser cotado pelo mercado, porém, este não o tem disponível e as alternativas para mensurá-los não são, claramente, confiáveis. Em tais situações, o ativo biológico deve ser mensurado ao custo, menos qualquer depreciação e perda por irrecuperabilidade acumuladas. Quando o valor justo de tal ativo biológico se tornar mensurável de forma confiável, a entidade deve mensurá-lo ao seu valor justo menos as despesas de venda. Quando o ativo biológico classificado no ativo não circulante satisfizer aos critérios para ser classificado como mantido para venda (ou incluído em grupo de ativo mantido para essa finalidade), de acordo com a NBC TG 31 – Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada, presume-se que o valor justo possa ser mensurado de forma confiável.


ResponderCitar
ADEMIR.LEONEL
Membro Ativo
Membro desde:11 meses  atrás
Posts: 10
05/10/2017 11:31  

Senhores membros da banca, venho atrás deste, solicitar recurso em relação há uma questão do exame de suficiência 2017.2.

 

A questão 44 possui características interpretativas que permite chegar a duas respostas. Segue abaixo o meu entendimento porque a resposta seria a alternativa C diferente da divulgada no gabarito preliminar alternativa B

 

Quando não há compensação de cheque na data de sua emissão é permitido que a contabilização seja feito da forma abaixo.

 

Assim, a contabilização poderá ser feita da seguinte forma (fonte: site de consultoria que utilizamos na empresa que trabalho):

Pela emissão do cheque:

 

D- Despesa (Contas de Resultado)

C- Cheque em trânsito ou Cheques a Compensar (Passivo Circulante)

 

Pela compensação do cheque:

D- Cheque em trânsito ou Cheques a Compensar (Passivo Circulante)

C- Banco conta movimento (Ativo Circulante) 

 

Sendo assim considerando apenas as informações apresentadas na questão 44 o razão Analítico da Conta Corrente Bancária em 30.06.2017 é de R$ 21.715,00 alternativa C.

 

Calculo:

 

(S) R$ 24.865,00 D RAZÃO

(-) R$  7.350,00 C CHEQUE 002 Compensado 20.06.2017 conforme Extrato banco

(+) R$  4.200,00 D CHEQUE 001 Compensado 03.07.2017 que será lançado no (Passivo Circulante)

(S) R$ 21.715,00 D Conforme alternativa C


ResponderCitar
MarcelloAmericano
Membro Ativo
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 14
05/10/2017 11:31  
Posted by: Indiaabreu

Bom dia! 

Poderia me disponibilizar seu modelo de recurso das questões 25 e 44?

india.nara79@hotmail.com

Os recursos estão nas postagens acima.


ResponderCitar
alinefm
Novo Membro
Membro desde:10 meses  atrás
Posts: 3

ResponderCitar
smgrings
Membro Eminente
Membro desde:11 meses  atrás
Posts: 34
05/10/2017 11:46  
Posted by: MarcelloAmericano
Posted by: alinefm

Quanto ao recurso da questão 46, coloquei da seguinte forma:

Venho perante a esta respeitosa banca recorrer do gabarito da questão 46 do Exame de Suficiência 2017.2. Conforme será apresentado a seguir.

O AUDITOR DEVE DETERMINAR A QUEM COMUNICAR, E NÃO COMUNICAR DE INÍCIO AS AUTORIDADES REGULADORAS E DE CONTROLE.

Comunicações à administração e aos responsáveis pela governança

40. Caso o auditor tenha identificado uma fraude ou obtido informações que indiquem a possibilidade de fraude, o auditor deve comunicar estes assuntos tempestivamente a pessoa de nível apropriado da administração que têm a responsabilidade primordial de prevenir e detectar fraude em assuntos relevantes no âmbito de suas responsabilidades (ver item A60).

41. A menos que todos os responsáveis pela governança estejam envolvidos na administração da entidade, se o auditor tiver identificado ou suspeitar de fraude envolvendo:

(a) a administração;

(b) empregados com funções significativas no controle interno; ou

(c) outros, cujas fraudes gerem distorção relevante nas demonstrações contábeis, o auditor deve comunicar tempestivamente esses assuntos aos responsáveis pela governança.

Caso o auditor suspeite de fraude envolvendo a administração, o auditor deve comunicar essas suspeitas aos responsáveis pela governança e discutir com eles a natureza, época e extensão dos procedimentos de auditoria necessários para concluir a auditoria (ver itens A61 a A63).

42. Nos termos da NBC TA 260, o auditor deve comunicar aos responsáveis pela governança quaisquer outros assuntos relacionados a fraudes que, no seu julgamento, são relevantes para suas responsabilidades (ver item A64).

Comunicações às autoridades reguladoras e de controle

 

43. Caso o auditor tenha identificado ou suspeite de fraude, deve determinar se há responsabilidade de comunicar a ocorrência ou suspeita a um terceiro fora da entidade. Embora o dever profissional do auditor de manter a confidencialidade da informação do cliente possa impedir que tais informações sejam dadas, as responsabilidades legais do auditor podem sobrepor-se ao dever de confidencialidade em algumas situações (ver itens A65 a A67).

Obrigado!

 

Este recurso está incorreto, pois ele não leu até o final o NBC TA 240 (R1)

O que está em azul, mostra que o gabarito está correto (Letra D)

Comunicações às autoridades reguladoras e de controle

 43.     Caso o auditor tenha identificado ou suspeite de fraude, deve determinar se há responsabilidade de comunicar a ocorrência ou suspeita a um terceiro fora da entidade. Embora o dever profissional do auditor de manter a confidencialidade da informação do cliente possa impedir que tais informações sejam dadas, as responsabilidades legais do auditor podem sobrepor-se ao dever de confidencialidade em algumas situações (ver itens A65 a A67).

 

Comunicações às autoridades reguladoras e de controle (ver item 43)

 

 A65. O dever profissional do auditor de manter a confidencialidade das informações do cliente pode impedir que ele relate a fraude a uma parte fora da entidade cliente. Contudo, a responsabilidade legal do auditor e, em certas circunstâncias, o dever de confidencialidade pode ser passado por cima por estatuto, lei ou tribunais de direito. No Brasil, o auditor de instituição financeira tem o dever de relatar a ocorrência de fraude a autoridades de supervisão. Em outros segmentos o auditor também tem dever de relatar distorções nos casos em que a administração e os responsáveis pela governança deixam de adotar ações corretivas.

 

 

A66. O auditor pode considerar apropriado obter assistência jurídica para determinar o curso de ação apropriado nas circunstâncias, cujo propósito é verificar os passos necessários ao considerar aspectos de interesse público na fraude identificada.

 

 Considerações específicas para entidade do setor público

 

A67. No setor público, as exigências para relatar fraude, descobertas ou não durante o processo de auditoria, podem estar sujeitas aos aspectos específicos do mandato de auditoria de lei, regulamentação ou outra autoridade relacionada.

 

 

 

Edited: 10 meses  atrás

ResponderCitar
Page 7 / 15 Prev Next
  
Working

Please Login or Cadastrar